Início / Testemunhos / Luís Matos

Luís Matos

Ver Artigo

Luís Matos

Luís Matos

Sou
o Luís Matos, tenho 23 anos e a minha nat­u­ral­i­dade é de São Miguel, mas vivo
atual­mente em São Jorge. Fre­quentei o Curso Téc­nico de Pro­dução Agrária na Escola
Profis­sional da Ilha de São Jorge de 2012 até 2015.

Não
prossegui estu­dos, uma vez que depois de con­cluir o está­gio profis­sional
(Pro­grama Esta­giar T) fiquei a tra­bal­har na explo­ração agrí­cola do sen­hor João
Crisós­tomo Bet­ten­court Sequeira, na ilha de São Jorge.

Escolhi
estu­dar num curso profis­sional porque assim tinha mais aulas práti­cas, mais
con­tato com o mundo do tra­balho e porque não que­ria prosseguir estu­dos
superiores.

No
meu enten­der tirar um curso profis­sional é uma mais-​valia, na medida em que a
for­mação que nos é dada é muito mais inter­es­sante do que estar sem­pre fechado
den­tro de uma sala de aula, mais enrique­ce­dora porque para além da aulas
teóri­cas temos aulas práti­cas e está­gios cur­ric­u­lares que nos fazem com­preen­der
as difi­cul­dades e con­seguir atin­gir os níveis dese­ja­dos para poder­mos entrar no
mundo do trabalho.

Depois
de acabar a escola fiquei com boas recor­dações, como os ami­gos que fiz, as
ativi­dades que tive na escola durante os anos letivos que lá estive, os
for­man­dos e os aux­il­iares, prin­ci­pal­mente o sen­hor “Zé Car­los” e o psicól­ogo
“Dinis Matos”, que estiveram sem­pre pron­tos a nos aju­dar fosse den­tro da escola
ou fora da mesma.

A
escola tem capaci­dade para for­mar bons alunos e boas pes­soas, mas isso é uma
ati­tude que cabe a cada um de nós, uma vez que todos nós temos difer­entes
personalidades.

O
está­gio para mim é o aspeto mais impor­tante de um curso profis­sional. Eu tive a
opor­tu­nidade de esta­giar nos 3 anos do curso e escol­her difer­entes empre­sas e tal
fez-​me perce­ber como fun­ciona o mundo do tra­balho na área em que eu escolhi.

Após
estes 4 anos fora da escola penso que fiz a escolha certa, pois agora já estou
a tra­bal­har na área que sem­pre quis e se tivesse de voltar atrás voltaria a
fazer a mesma escolha.

Estou
muito con­tente pelo ensino profis­sional con­tin­uar a ter relevân­cia, porque o
ensino profis­sional prepara os for­man­dos muito mel­hor para o mer­cado de
tra­balho do que o ensino secundário gen­er­al­ista. É bom ver que a men­tal­i­dade de
que a escola profis­sional é para “bur­ros que não querem nada” está a mudar um
pouquinho, pois os cur­sos profis­sion­ais tam­bém têm as suas dificuldades.

A
men­sagem que gostaria de deixar aos atu­ais e futuros for­man­dos é que se
esforcem para acabar o seu curso uma vez que hoje em dia não se faz nada sem o
12º ano, que escol­ham bem o seu local de está­gio para verem se terão no futuro
pos­si­bil­i­dades de tra­bal­harem lá e que sejam está­gios em que ten­ham a
opor­tu­nidade de apren­der e não está­gios em que não se faz nada. Se tiverem
difi­cul­dades que con­sul­tem o psicól­ogo porque eu no meu caso con­tei sem­pre com
o psicól­ogo para me aju­dar nas min­has decisões e até aos dias de hoje não me
arrependo das min­has escolhas.

Para
finalizar quero agrade­cer aos aux­il­iares e aos for­madores que sem­pre me
aju­daram no meu per­curso esco­lar pois sem eles não teria con­seguido alcançar os
meus obje­tivos. Quero tam­bém aler­tar os alunos que se esforcem, que não fiquem
desmo­ti­va­dos pois tudo na vida neces­sita de esforço, nada é de “mão beijada”.

Eu
tam­bém tinha aquela men­tal­i­dade de que a escola profis­sional é para “dro­ga­dos”
e para aque­les que não querem nada. Os alunos da profis­sional vieram de out­ras
esco­las que tin­ham difer­entes real­i­dades por isso diz­erem que a profis­sional é
uma escola de “dro­ga­dos e malan­dros” é men­tira pois não é a escola profis­sional
que os acom­panha desde o ensino primário.

Não
ten­ham o pen­sa­mento de virem para a profis­sional para “rece­ber a bolsa”, mas
sim estu­dar, mas depois de fre­quen­tar a escola fiquei com outra noção, pois foi
lá que encon­trei os meus mel­hores ami­gos e que con­segui real­mente apren­der e
con­cretizar os meus obje­tivos de trabalho.

Um
grande abraço a todos os mem­bros da escola profissional.

Luís Matos

Sou o Luís Matos, tenho 23 anos e a minha naturalidade é de São Miguel, mas vivo atualmente em São Jorge. Frequentei o Curso Técnico de Produção Agrária na Escola Profissional da Ilha de São Jorge de 2012 até 2015.

Não prossegui estudos, uma vez que depois de concluir o estágio profissional (Programa Estagiar T) fiquei a trabalhar na exploração agrícola do senhor João Crisóstomo Bettencourt Sequeira, na ilha de São Jorge.

Escolhi estudar num curso profissional porque assim tinha mais aulas práticas, mais contato com o mundo do trabalho e porque não queria prosseguir estudos superiores.

No meu entender tirar um curso profissional é uma mais-valia, na medida em que a formação que nos é dada é muito mais interessante do que estar sempre fechado dentro de uma sala de aula, mais enriquecedora porque para além da aulas teóricas temos aulas práticas e estágios curriculares que nos fazem compreender as dificuldades e conseguir atingir os níveis desejados para podermos entrar no mundo do trabalho.

Depois de acabar a escola fiquei com boas recordações, como os amigos que fiz, as atividades que tive na escola durante os anos letivos que lá estive, os formandos e os auxiliares, principalmente o senhor “Zé Carlos” e o psicólogo “Dinis Matos”, que estiveram sempre prontos a nos ajudar fosse dentro da escola ou fora da mesma.

A escola tem capacidade para formar bons alunos e boas pessoas, mas isso é uma atitude que cabe a cada um de nós, uma vez que todos nós temos diferentes personalidades.

O estágio para mim é o aspeto mais importante de um curso profissional. Eu tive a oportunidade de estagiar nos 3 anos do curso e escolher diferentes empresas e tal fez-me perceber como funciona o mundo do trabalho na área em que eu escolhi.

Após estes 4 anos fora da escola penso que fiz a escolha certa, pois agora já estou a trabalhar na área que sempre quis e se tivesse de voltar atrás voltaria a fazer a mesma escolha.

Estou muito contente pelo ensino profissional continuar a ter relevância, porque o ensino profissional prepara os formandos muito melhor para o mercado de trabalho do que o ensino secundário generalista. É bom ver que a mentalidade de que a escola profissional é para “burros que não querem nada” está a mudar um pouquinho, pois os cursos profissionais também têm as suas dificuldades.

A mensagem que gostaria de deixar aos atuais e futuros formandos é que se esforcem para acabar o seu curso uma vez que hoje em dia não se faz nada sem o 12º ano, que escolham bem o seu local de estágio para verem se terão no futuro possibilidades de trabalharem lá e que sejam estágios em que tenham a oportunidade de aprender e não estágios em que não se faz nada. Se tiverem dificuldades que consultem o psicólogo porque eu no meu caso contei sempre com o psicólogo para me ajudar nas minhas decisões e até aos dias de hoje não me arrependo das minhas escolhas.

Para finalizar quero agradecer aos auxiliares e aos formadores que sempre me ajudaram no meu percurso escolar pois sem eles não teria conseguido alcançar os meus objetivos. Quero também alertar os alunos que se esforcem, que não fiquem desmotivados pois tudo na vida necessita de esforço, nada é de “mão beijada”.

Eu também tinha aquela mentalidade de que a escola profissional é para “drogados” e para aqueles que não querem nada. Os alunos da profissional vieram de outras escolas que tinham diferentes realidades por isso dizerem que a profissional é uma escola de “drogados e malandros” é mentira pois não é a escola profissional que os acompanha desde o ensino primário.

Não tenham o pensamento de virem para a profissional para “receber a bolsa”, mas sim estudar, mas depois de frequentar a escola fiquei com outra noção, pois foi lá que encontrei os meus melhores amigos e que consegui realmente aprender e concretizar os meus objetivos de trabalho.

Um grande abraço a todos os membros da escola profissional.

 
 

0 Comentários

Seja o primeiro a comentar este artigo!.

 
 

Deixe um comentário