Início / Atividades / Atividades 2010/2011 / Entrevista com a nossa Directora Pedagógica

Entrevista com a nossa Directora Pedagógica

Ver Artigo

Entrevista com a nossa Directora Pedagógica

Cata­rina Azevedo e Daniela Ama­rante do Curso de Hor­ti­cul­tura e Fru­ti­cul­tura Biológ­ica – PROFIJ II realizaram uma entre­vista à Direc­tora Pedagóg­ica no âmbito da dis­ci­plina de Viver em Português.

1. — Como é que surgiu o con­vite para ocu­par o cargo de Direc­tora Pedagóg­ica na Escola Profissional?

- O con­vite surgiu do actual Direc­tor da Escola, uma vez que já tra­bal­há­mos jun­tos, na mesma escola, há muitos anos.

2. — Está a gostar da sua esta­dia em São Jorge?

- Gosto muito da ilha de São Jorge: é lindís­sima e as pes­soas são muito afáveis. No que respeita ao tra­balho, está a ser um grande desafio.

3. — Na sua opinião quais são os pon­tos fra­cos e fortes desta ilha?

- Ponto forte, defin­i­ti­va­mente as car­ac­terís­ti­cas pais­agís­ti­cas. Ponto fraco: o nível de desen­volvi­mento e falta de infra-​estruturas, o isolamento.

4. — Quando começou a exercer o cargo de Direc­tora Pedagóg­ica, quais foram os primeiros obstácu­los com que se deparou?

- Uma real­i­dade muito difer­ente da que con­hecia, o facto de ter de con­ju­gar o tra­balho com a DRE e com a DRTQP( Direcção Regional de Edu­cação e do Tra­balho e Qual­i­fi­cação Profis­sional) e sobre­tudo a situ­ação finan­ceira da escola.

5. — Como clas­si­fica o seu rela­ciona­mento com os alunos desta escola?

–É difí­cil saber exac­ta­mente o que dizer, porque há sem­pre a nossa per­cepção da real­i­dade, ou seja, a ideia que nós temos nem sem­pre coin­cide com a dos out­ros. Ou seja, eu diria que a minha relação com os alunos é boa, mas será que os alunos dizem que a relação que têm comigo é boa?

6. — Qual é o bal­anço que faz dos 8 meses de tra­balho na Direcção da EPISJ?

- Acho que con­seguimos (a actual direcção) algu­mas coisas que con­sid­er­amos pos­i­ti­vas ao nível da orga­ni­za­ção interna da Escola e ao nível da Quinta.

Não con­seguimos ainda resolver o prob­lema finan­ceiro mas pen­samos que em breve a situ­ação será ultrapassada.

7. — Quais são as suas pri­or­i­dades para o ano lec­tivo de 20102011?

- O desen­volvi­mento de pro­jec­tos por turma e/​ou inter-​turmas de forma a pos­si­bil­i­tar um ensino mais prático e atrac­tivo para os alunos. Criar/​desenvolver mecan­is­mos de acom­pan­hamento dos alunos de modo a terem sucesso no seu per­curso escolar.

8. — Agora no plano mais pes­soal, como ocupa os seus tem­pos livres e o que gosta mais de fazer?

- Gosto muito de cam­in­har, sobre­tudo fazer tril­hos e ler. Tenho menos tempo do que pen­sava poder ter para desen­volver essas actividades.

Agrade­ce­mos a atenção disponibilizada,

Cata­rina Azevedo

Daniela Ama­rante

Catarina Azevedo e Daniela Amarante do Curso de Horticultura e Fruticultura Biológica – PROFIJ II realizaram uma entrevista à Directora Pedagógica no âmbito da disciplina de Viver em Português.

1. – Como é que surgiu o convite para ocupar o cargo de Directora Pedagógica na Escola Profissional?

– O convite surgiu do actual Director da Escola, uma vez que já trabalhámos juntos, na mesma escola, há muitos anos.

2. – Está a gostar da sua estadia em São Jorge?

– Gosto muito da ilha de São Jorge: é lindíssima e as pessoas são muito afáveis. No que respeita ao trabalho, está a ser um grande desafio.

3. – Na sua opinião quais são os pontos fracos e fortes desta ilha?

– Ponto forte, definitivamente as características paisagísticas. Ponto fraco: o nível de desenvolvimento e falta de infra-estruturas, o isolamento.

4. – Quando começou a exercer o cargo de Directora Pedagógica, quais foram os primeiros obstáculos com que se deparou?

– Uma realidade muito diferente da que conhecia, o facto de ter de conjugar o trabalho com a DRE e com a DRTQP( Direcção Regional de Educação e do Trabalho e Qualificação Profissional) e sobretudo a situação financeira da escola.

5. – Como classifica o seu relacionamento com os alunos desta escola?

-É difícil saber exactamente o que dizer, porque há sempre a nossa percepção da realidade, ou seja, a ideia que nós temos nem sempre coincide com a dos outros. Ou seja, eu diria que a minha relação com os alunos é boa, mas será que os alunos dizem que a relação que têm comigo é boa?

6. – Qual é o balanço que faz dos 8 meses de trabalho na Direcção da EPISJ?

– Acho que conseguimos (a actual direcção) algumas coisas que consideramos positivas ao nível da organização interna da Escola e ao nível da Quinta.

Não conseguimos ainda resolver o problema financeiro mas pensamos que em breve a situação será ultrapassada.

7. – Quais são as suas prioridades para o ano lectivo de 2010/2011?

– O desenvolvimento de projectos por turma e/ou inter-turmas de forma a possibilitar um ensino mais prático e atractivo para os alunos. Criar/desenvolver mecanismos de acompanhamento dos alunos de modo a terem sucesso no seu percurso escolar.

8. – Agora no plano mais pessoal, como ocupa os seus tempos livres e o que gosta mais de fazer?

– Gosto muito de caminhar, sobretudo fazer trilhos e ler. Tenho menos tempo do que pensava poder ter para desenvolver essas actividades.

Agradecemos a atenção disponibilizada,

Catarina Azevedo 

Daniela Amarante

 

 
 

0 Comentários

Seja o primeiro a comentar este artigo!.

 
 

Deixe um comentário